terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

BOPE



Um grupo policial que faria muito jeito actualmente em Portugal. Agora uma breve história.

O Batalhão de Operações Especiais (BOPE) é uma força de operações especiais da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. É uma unidade especializada em patrulhas, progressões e combates em ambientes confinados e restritos. É considerada a mais eficiente tropa de combate urbano do mundo. Actua em operações de risco extremo, seja no patrulhamento de locais de alto risco, combates em locais de difícil acesso, operações em montanhas, ocorrências com reféns localizados, ocorrências envolvendo explosivos, incursões em favelas e situações de confronto com traficantes de drogas.

História:

O BOPE foi criado em 19 de Janeiro de 1978, como Núcleo da Companhia de Operações Especiais (NuCOE), através de um projecto elaborado e apresentado, pelo então Capitão PM Paulo Cesar Amendola de Souza ao Comandante-Geral da PMERJ, Coronel do EB Mário José Sotero de Menezes. Em 1982 foi elevado à categoria de Companhia de Operações Especiais (COE). Mudando sua denominação em 1984 para Núcleo da Companhia Independente de Operações Especiais (NuCIOE). Em 1988 ganhou autonomia administrativa, para Companhia Independente de Operações Especiais (CIOE). Em 1991 foi transformado em Batalhão, mantendo-se ainda aquartelado no Regimento Marechal Caetano de Farias, sede do Batalhão de Polícia de Choque, entre outras unidades policiais. Em 2000 ganhou instalações próprias, localizadas no Morro do Pereirão, no bairro de Laranjeiras, na zona sul da capital fluminense.

Progressão em favelas:

Esta técnica foi desenvolvida no Brasil pelo BOPE, Batalhão de Operações Policiais Especiais da Polícia Militar, pela necessidade de agir no caos das ruas estreitas de morros e encostas da cidade do Rio de Janeiro. As favelas tornaram-se uma área hostil à polícia devido ao crime organizado, e era um grande obstáculo para as acções policiais, pois normalmente os criminosos possuem uma visão privilegiada posicionando-se estrategicamente nos morros. O BOPE conquistou o respeito de unidades militares estrangeiras por agir nesses ambientes urbanos de alta dificuldade.

"O Caveirão":

O BOPE possui veículos blindados, popularmente conhecidos como "Caveirões", utilizados, principalmente, em operações onde há conflitos com narco-traficantes que empregam armamento pesado. Os blindados têm capacidade para 12 homens, e não possuem armamento próprio, sendo o seu poder de fogo constituído pelas armas do próprio batalhão. O chassi utilizado nos veículos é o mesmo encontrado no caminhão Ford Cargo 815, considerado inadequado por especialistas, uma vez que o peso do veículo, com o batalhão completo, supera as 8 toneladas de peso bruto para a qual o chassi foi projectado.

A principal finalidade dos veículos blindados é proteger a vida dos elementos do batalhão e romper as barreiras físicas utilizadas pelo narco-tráfico. Os blindados são essenciais ainda no apoio ao resgate de unidades policiais encurraladas e na remoção de feridos dos cenários de confronto.

Actualmente, a Polícia Militar conta com 12 viaturas desse tipo, inclusive noutros batalhões. A blindagem do veículo "Caveirão" suporta fortes disparos, como os de fuzil 7.62, metralhadoras e submetralhadoras.

Armamento:

Devido às exigências da sua actuação em situações especiais, é disponibilizado um armamento diferenciado aos policiais que servem no BOPE, como exemplo: fuzis, espingardas, pistolas, submetralhadoras, carabinas e explosivos.

adaptado de wikipédia